Porque é que Branded Content é tão eficaz?

7 min.

Imagine que criamos um vídeo envolvente em que uma mulher consegue vencer as adversidades e as injustiças que diariamente enfrenta. Uma história apaixonante de emancipação que origina muitas partilhas nas redes sociais e se torna num vídeo motivacional.

 

Agora imagine que criamos um vídeo em tudo igual ao descrito, mas com uma “pequena” alteração - o nome da Nike, por exemplo, está sempre presente ao longo de todo o script. Parece-lhe que o impacto é o mesmo?

 

A proliferação de conteúdos, de vídeos e de players no mercado tem crescido exponencialmente, o que leva a que seja necessário pensar com maior cuidado a comunicação de uma empresa. Quando a quantidade é elevada, a diferenciação recai sobre a qualidade, por isso quando se lança um conteúdo é necessário questionar: “Por que razão as pessoas irão assistir ao meu vídeo?”. Uma boa narrativa, Storytelling de qualidade são aspetos cada vez mais importantes e as empresas não podem estragá-los “martelando” o nome da marca a todo o instante.

 

Vejamos o segundo vídeo que a Johnnie Walker lançou com o tema “The Gentleman’s Wager” (A Aposta de Cavalheiros):

 

 

A Johnnie Walker investe fortemente neste tipo de produções que até parecem apelar mais diretamente ao mercado cinematográfico do que ao mercado das bebidas alcoólicas. Quantas vezes viu o nome da marca ao longo do vídeo? De facto este parece mais tratar-se de um caso de product placement numa produção hollywoodesca que conta com nomes como Jude Law, Zhao Wei e Giancarlo Giannini, e até com o bicampeão mundial de F1 Mika Hakkinen. Mas porque razão a Johnnie Walker investe tanto em contratar tantos nomes sonantes?  Porquê criar uma produção tão elaborada com mais de 500 segundos, apenas para incluir nome da sua marca de whisky em dois ou três segundos?

 

Vejamos agora outro exemplo:

 

 

Sentiu vontade de assitir ao vídeo até ao fim? É provável que durante o dia de hoje e até durante algum tempo se lembre, não só da mensagem do vídeo, como também da empresa que está por detrás. Se não conhecia a momondo ficou a saber que a marca se interessa por temáticas sensíveis e que assume uma posição clara em questões sociais. O que torna apelativo este vídeo? Já pensou? É a beleza dos modelos? O trendy lifestyle? Ou será que são as reações genuínas de pessoas reais que demonstram claramente um ponto de vista?

 

Vejamos este vídeo Bonds of Trust da marca Bellator:

 

 

Algumas conclusões que podemos tirar deste vídeo:

  1. Para quem tem interesse ou ligação à área equestre, os laços de ligação entre cavalo e cavaleiro(a) são um aspeto fundamental;
  2. Para quem não tem essa ligação, poderá ter curiosidade por um conteúdo bem construído;
  3. Para quem não tem interesse ou curiosidade pela área percebeu, pelo menos, que a mensagem não era apenas institucional e que houve elaboração e cuidado na criação de um conteúdo diferente.

 

Mas porque havia de uma empresa apostar ou investir em criar conteúdos que não parecem apelar claramente ao investimento no seu negócio ou nos seus produtos? Puro altruísmo? Por tratar-se de uma paixão do CEO da empresa? Para obter benefícios financeiros?

 

Parece-lhe que este conteúdo é mais ou menos partilhável do que um vídeo claramente publicitário? Quando ouvir falar da marca qual o tipo de imagem com que fica?

 

A sua empresa não é o naming ou o logótipo, é sim aquilo que ela representa, a sua história, o estilo de vida que ela significa. Os consumidores querem reter a sua mensagem, não porque no final recebem um cupão ou desconto, mas porque se querem apaixonar por uma história, por uma narrativa, e se o seu vídeo tem essa capacidade, parabéns, a sua aposta está ganha e o seu ROI será muito positivo.

 

Se uma empresa está por detrás de vídeos de qualidade ou relevantes e congruentes com a sua mensagem, então os consumidores irão envolver-se. Se, por outro lado, uma empresa começa logo a mostrar que aquele conteúdo é apenas um “chamariz” para “vender”, então haverá resistência e dúvidas quanto ao valor da mensagem do vídeo.

 

“Bom conteúdo é um bom conteúdo” e, se assim é, ninguém se irá incomodar se foi criado ou não por uma marca. Pelo contrário, a qualidade ficará associada à empresa em questão. No entanto, conteúdos irritantes, aborrecidos ou interesseiros (que são desculpas esfarrapadas para divulgar a marca) são hiperbolizados e trazem danos efetivos à imagem de marca.

 

Assim, para saber que tipo de Branded Content é o ideal para o seu negócio é fundamental conhecer bem o seu ADN. Um excelente vídeo acerca dos perigos do sal na alimentação parecerá incongruente para a empresa de batatas-fritas Pringles. Artigos de imprensa patrocinados, webisodes, curtas, videoclipes e outro tipo de branded videos têm a capacidade de entreter, informar e envolver os consumidores que querem visualizar e partilhar o conteúdo. A mensagem da empresa pode não estar exposta ou visível, mas o importante é fazer os consumidores querer ver o vídeo em vez de os forçar ou de os enganar para que eles o vejam.

 

Fale connosco e descubra como pode envolver o seu público numa mensagem apaixonante e não intrusiva.

Receba os nossos artigos
diretamente no seu e-mail